Notícias

Quinta-Feira, 01 de Julho de 2021 18:03

SINAIS DE CORRUPÇÃO: Polícia Federal investiga denúncia de fraude na compra de respiradores por R$ 1,4 milhão

Entre os equipamentos adquiridos, há respiradores com até 15 anos de uso que foram vendidos como novos
Autor: Estadão Conteúdo

BRASÍLIA – A Polícia Federal, a Controladoria Geral da União e o Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte deflagraram na manhã desta quinta, 1º, a Operação Rebotalho, para investigar supostos crimes de dispensa indevida de licitação e peculato na compra de respiradores ‘usados’ pela Secretaria Municipal de Saúde de Natal.

Cerca de 20 policiais federais e 4 servidores da CGU cumprem quatro mandados de busca e apreensão nos municípios de Natal (RN), Goiânia (GO) e Aparecida de Goiânia (GO).

SUCATEADOS - De acordo com a PF, a investigação teve início em novembro de 2020, com base em auditoria da CGU, que identificou ‘indícios de montagem e direcionamento da dispensa de licitação, além de superfaturamento no montante de R$ 1,4 milhão’.

Os elementos de prova já colhidos indicam que os aparelhos respiradores adquiridos pela SMS Natal são sucateados, chegando a 15 anos de uso, e parte deles possui origem clandestina, haja vista a empresa fabricante ter informado que os números de série não correspondem a equipamentos por ela produzidos”, explicou a PF em nota.

A PF estima um prejuízo ao erário em mais de R$ 1 milhão. Em nota, a corporação registrou que a Justiça Federal autorizou o bloqueio de tal valores em contas dos investigados.

LEIA TAMBÉM: CATASTRÓFICO: Lucas do Rio Verde tem aumento de 34% no número de mortos por COVID-19 em junho (Publicado em 30.Jun.2021)

LEIA AINDA: VACINAÇÃO: Novo levantamento desmente Prefeitura e mostra Lucas do Rio Verde na 127ª do ranking em Mato Grosso (Publicado em 29.Jun.2021)

Fonte: Jornal de Brasília

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}