Notícias

Sábado, 12 de Dezembro de 2020 08:05

Polícia prende homem que matou mulher por serviço de R$ 40

Um homem acusado de matar friamente uma mulher em Colniza (1.042 km a noroeste de Cuiabá) teve o mandado de prisão cumprido pela Polícia Civil, na quinta-feira (10), após ser localizado na zona rural do município. O suspeito, de 44 anos, matou a vítima pelo fato de ela não ter realizado um serviço para qual ele tinha a contratado.

O crime que vitimou Isangela Batista Pereira, de 32 anos, ocorreu no dia 25 de janeiro, em um bar no município. Segundo as informações, o suspeito pagou o valor de R$ 40 para que a vítima fizesse um serviço doméstico para ele, o qual ela disse que só faria no dia seguinte, pois estava “bebendo” naquele momento.

Descontente com a resposta, o suspeito efetuou os disparos (um que acertou a orelha e em seguida outro pelas costas) que tiraram a vida vítima, que chegou a ser socorrida e encaminhada para o hospital, porém não resistiu aos ferimentos. Após o crime, o suspeito saiu do bar em sua motocicleta, dizendo que mais pessoas morreriam.

Assim que foi acionada do crime, a equipe da Polícia Civil iniciou as diligências investigativas. Diante dos indícios de autoria, o delegado Marco Bortolotto Remuzzi representou pelo mandado de prisão preventiva do suspeito, o qual foi deferido pela Justiça.

Segundo as investigações, o suspeito também é apontado como autor do homicídio que vitimou outra mulher no município no ano 2000, porém respondia pelo crime em liberdade.

A prisão contra o foragido foi cumprida na tarde de quinta-feira (10), quando os investigadores da Delegacia de Colniza conseguiram localizar o suspeito durante diligências na zona rural do município. Ele foi conduzido à unidade policial para as providências cabíveis e posteriormente encaminhado à unidade prisional a disposição da Justiça.

Fonte: Gazeta Digital

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}