Notícias

Sábado, 09 de Outubro de 2021 13:43

PISCICULTURA: Embrapa estuda plantas que limpam água usada na criação de peixes

Matéria orgânica da água serve como nutriente para as plantas
Autor: Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil - São Paulo

SÃO PAULO – Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Instrumentação (Embrapa Instrumentação), em São Carlos (SP), desenvolveram tecnologia de tratamento de água sem utilização de produtos químicos, usando apenas o cultivo de plantas para reduzir a matéria orgânica da água.

Uma miniestação, chamada de Jardim Aquícola, trata efluentes de viveiros de peixes que contém excrementos, restos de ração não consumida, algas e micro-organismos, e reaproveita os nutrientes na água para a produção de plantas ornamentais, como os copos-de-leite, típicas de ambientes mais úmidos.

O cultivo das plantas funciona como um filtro, já que elas se alimentam dos compostos orgânicos e, assim, acabam deixando a água mais limpa.

TECNOLOGIA MENOS AGRESSIVA - De acordo com a Embrapa, a tecnologia se destaca dos métodos convencionais pelos baixos custos relativos de construção e operação, fácil manutenção, baixo consumo de energia, além de dispensar a necessidade de produtos químicos e reduzir a matéria orgânica dissolvida e em suspensão.

A água tratada pode retornar para o tanque de produção aquícola - organismos aquáticos. Com o método, seria possível não apenas reduzir a pegada hídrica da piscicultura, que é o volume total de água utilizado no ciclo de produção, como levar maior sustentabilidade ambiental e econômica à produção de flores como o copo-de-leite.

A combinação de processos físicos e biológicos que compõem o sistema de tratamento possibilita uma melhoria acentuada na qualidade da água que precisa ser tratada, sem a utilização de produtos químicos. Possibilita ainda o reuso da água tratada nos próprios tanques de produção, auxiliando o uso racional do recurso natural”, disse o pesquisador Wilson Tadeu Lopes da Silva, que lidera o projeto.

RESOLVENDO PROBLEMAS - O pesquisador explicou que “a utilização de plantas para o tratamento dos efluentes é essencial para o funcionamento do jardim, pois as raízes das macrófitas proporcionam uma superfície para que os filmes microbianos possam se estabelecer”.

LEIA TAMBÉM: CAIU MAIS UM: Derrubado veto do governador à proposta de repovoar áreas de barragem com peixes em Mato Grosso (Publicado em 30.Jun.2021)

LEIA MAIS: APICULTURA: Governo de Mato Grosso e Senar incentivam criação de abelhas em aldeias indígenas (Publicado em 03.Jun.2021)

Segundo a Embrapa, se o manejo em tanques de produção de peixes não for adequado, a água descartada, sem tratamento, pode ser um problema já que é rica em matéria orgânica. A água nessa condição, ao ser lançada em um rio, pode reduzir a disponibilidade de oxigênio no local e levar à redução das taxas de crescimento de peixes nativos daquele corpo d’água ou até à mortalidade deles.

A proposta do Jardim Aquícola vai ao encontro das recomendações preconizadas pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), de que a adoção de boas práticas na criação de peixes evita impactos ambientais. O reuso da água é uma delas”, divulgou a Embrapa. O estudo teve a participação de estudantes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Além da redução de matéria orgânica, o Jardim Aquícola foi projetado de modo a receber um sistema simples de oxigenação da água tratada, em forma de pequenas quedas d´água em série. Essa oxigenação faz com que a água possa abrigar peixes novamente. Silva ressalta que o oxigênio dissolvido na água é uma variável importante na criação de peixes.

“O problema da deficiência de oxigênio dissolvido em tanques de criação de peixes de água-doce se apresenta como uma grande ameaça e um dos fatores limitantes da aquicultura intensiva, porque o esgotamento do oxigênio dissolvido compromete o crescimento e a produção dos peixes”, disse o pesquisador.

Segundo a Embrapa, os resultados laboratoriais obtidos após análises dos principais parâmetros indicativos da qualidade da água - como turbidez, temperatura, oxigênio dissolvido, pH, amônio e demanda bioquímica de oxigênio - apontam essa tecnologia como “uma ferramenta promissora” no tratamento de efluentes da piscicultura.

Diante desses resultados, a tecnologia entrou na fase de prospecção de parceiros para a aceleração e finalização de seu desenvolvimento, com a finalidade de produção e exploração comercial.

Fonte: Agência Brasil

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}