Jayme diz que governo federal tem que parar de fazer chantagem

» Política

Por RDNews em 14 de Maio de 2019 ás 07:19

Mesmo com o DEM na base governista,  o senador Jayme Campos não economiza críticas ao Governo Jair Bolsonaro (PSL). Segundo o  democrata, a palavra “decepção” resume os primeiros cinco meses de gestão que já considera incapaz de resolver os grandes problemas do Brasil. Jayme afirma que o governo federal está sem rumo. Pontua ainda que falta pulso a  Bolsonaro, que, em sua avaliação, erra ao tentar governar o país pelas redes sociais.

“Tem que acabar com essa política de mimimi pra cá, rede social pra lá, decreto para armamento. Não queremos saber de metralhadora. Queremos coisas concretas. O Brasil está parado. A crise está aí, o desemprego está aumentando. Precisamos abrir uma nova perspectiva. O governo precisa deixar dessa política de chantagem”, declarou Jayme durante evento sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida, realizado na Fiemt, na manhã desta segunda (13). No evento, o democrata foi fortemente aplaudido pelos empresários que acompanhavam sua fala.

Ao falar em chantagem, Jayme se refere a prática do governo de condicionar a retomada das políticas públicas à aprovação da reforma previdenciária. Em sua opinião, os brasileiros não podem ficar assistindo a inércia do Executivo enquanto o Congresso não esgota a discussão.

“Se tudo que tiver acontecendo no país condicionar à reforma da previdência, o país vai parar. Quem garante que vai aprovar até julho, agosto ou setembro? Ninguém. É conversa de bêbado para delegado. É uma discussão ampla, tem que passar em várias comissões, tem que passar pelo plenário da Câmara e do Senado. Se o Brasil está praticamente parado, haverá uma verdadeira quebradeira de forma generalizada. O governo tem que cair na real urgentemente”, completou o senador.

Como exemplo da inércia da União, Jayme cita a situação do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Após audiência com o presidente, professor Carlos Alberto Decotelli, constatou que a instituição já não tem recursos sequer para café e água mineral e não consegue mais assegurar investimentos no ensino público brasileiro.

 “O governo do presidente Bolsonaro está travado. Ainda não achou rumo. Não sou eu que estou dizendo, mas todos que tenho conversado. Não só parlamentares, mas diretores de órgãos federais  e até ministros. É de lamentar”, revelou.

 Para exemplificar a situação da educação sob Bolsonaro, Jayme lembra da apresentação que o ministro da Educação,  Abraham Weintraub, fez no Congresso na última semana.  Em sua opinião, o episódio foi vexatório.

 “Vocês viram a apresentação do ministro da Educação, do próprio presidente e de mais dois assessores em relação ao contingenciamento dos 30% da educação. Fez um comparativo com bombons e chocolates na mesa. Isso é postura de quem comanda a Educação no país?. Estão cortando bolsa de quem está fazendo doutorado. Chegou o momento de parar de brincadeira e de  fazer governo de rede social. O Brasil tem que tomar rumo urgentemente. Infelizmente, as perspectivas que vejo não são das melhores”, lamenta.

 

» Mais Imagens