PP confirma apoio a Wellington Fagundes ao governo mesmo com saída do MDB

» Política

Por Olhar Direto em 19 de Julho de 2018 ás 08:07

Uma reunião, quase que emergencial, definiu que o Partido Progressista (PP) estará lado a lado com o pré-candidato Wellington Fagundes (PR) na disputa ao cargo de governador nas eleições deste ano. Segundo o ex-ministro da agricultura, Neri Geller – que tentará uma cadeira na Câmara Federal -, a alta cúpula do partido se reuniu na última terça-feira (17) e confirmou a continuidade na coligação, mesmo após o rompimento com o MDB. Os progressistas tratam a aliança como a confiável.

 “Está consolidado, o partido teve uma votação lá atrás e o Wellington está animado. Vou acompanhar a posição do partido. Hoje, eu, o Ezequiel [Fonseca] e Wellington conversamos e a posição é que ele seja candidato, vai continuar firme. O partido está alinhado com o pré-candidato”, disse Neri Geller em entrevista ao Olhar Direto.

 Geller ainda acrescentou que a reunião do Partido Progressista aconteceu na casa de Ezequiel Fonseca, presidente da sigla. “Ficou definido que o apoio será com toda certeza ao Wellington. A conversa que tivemos hoje foi muito boa e sentimos uma pré-disposição fantástica dele. Estaremos nesta disputa”.

Vale lembrar que o MDB abandonou o projeto de Wellington Fagundes e irá compor a chapa encabeçada pelo empresário Mauro Mendes (DEM), nas eleições de outubro deste ano. A decisão foi tomada após uma reunião realizada no último final de semana entre o próprio Mauro Mendes, o presidente regional do DEM, Fábio Garcia e o deputado federal Carlos Bezerra, presidente do MDB.

 Sobre a saída do MDB, Geller afirmou que não atrapalha em nada os planos do PP: “É natural, cada um procura seu espaço, entenderam que é melhor ir para lá. Não sei quais são as conversas de bastidores. Estou andando o interior do Estado e focado na minha campanha, já que sou pré-candidato a deputado federal. Posso dizer que estamos muito confiantes”.

 Atualmente, a chapa democrata tem como vice o ex-prefeito de Lucas do Rio Verde Otaviano Pivetta (PDT) e Jayme Campos (DEM) em uma vaga pelo Senado. A outra está sendo disputada pelo ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD) e o deputado federal Adilton Sachetti (PRB).

 Porém, este último já sinalizou que deve recuar de sua pré-candidatura ao Senado e aceitar o convite do governador Pedro Taques (PSDB) para ocupar a vice-governadoria no grupo tucano. A reportagem apurou que o diálogo entre os dois avançou desde o último sábado (14) e Sachetti já estaria convencido a abandonar a chapa de Mauro Mendes (DEM). Se confirmado o acordo, as duas vagas para o Senado pela coligação vão ser ocupadas por Nilson Leitão (PSDB) e Selma Arruda (PSL).

 Dentro do próprio MDB não há um consenso sobre que rumo seguir nestas eleições. O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, por exemplo, já se manifestou pela manutenção do apoio ao nome de Wellington Fagundes. O chefe do Executivo deixa claro que não tem nenhum veto a Mendes ou ao Democratas e diz que aceita uma aliança, mas desde que seja para dar suporte ao projeto republicano.

 Wellington Fagundes conta com o apoio do PP, PTB, e PCdoB, além do próprio PR e tinha como certa a aliança com o MDB. O republicano chegou a se aproximar do PSD, mas viu o ex-vice-governador Carlos Fávaro se afastar novamente na tentativa de compor com Mauro Mendes.