Curso de Libras certifica 120 novos alunos

» Educação

Por Ascom Prefeitura/Educação - Neri Malheiros em 20 de Novembro de 2018 ás 07:50

Uma cerimônia realizada na última quarta-feira (14), na Escola Municipal Olavo Bilac, marcou o encerramento e a certificação dos 120 participantes do Curso Libras nas Mãos e no Coração, voltado para o domínio da Língua Brasileira de Sinais e facilitação da comunicação entre deficientes auditivos e com pessoas de suas relações. Apesar do clima descontraído e de confraternização, a emoção tomou conta dos presentes em vários momentos do evento.

Organizado pelo terceiro ano consecutivo e ministrado pela professora Lindalva Brígida Nascimento Silva, responsável pela Sala de Recursos Multifuncionais, o curso tem sido promovido pelo Grêmio Estudantil da Escola Olavo Bilac, sob coordenação da professora Marta Brizola. Inicialmente previsto para atender basicamente o público interno da comunidade escolar, o trabalho prestado de forma gratuita precisou ser aberto para outras unidades e também para toda a população.

Ao ser homenageada pela iniciativa e empenho voluntário, a professora, sem conter as lágrimas, fez um breve relato das dificuldades de inclusão enfrentadas por portadores de deficiência auditiva e sobre a importância do envolvimento da comunidade para a superação dessas barreiras, que, boa parte das vezes, começam dentro da própria família.

O curso de 80 horas/aula – foram duas horas por semana e mais algumas atividades extras – teve duas turmas de alunos com idades variáveis entre 6 e 65 anos e se estendeu por cerca de oito meses. “Nós começamos este projeto com um aluno surdo que veio do Pará e a necessidade de comunicação entre funcionários, professores e colegas da sala de aula. E nós começamos justamente com os coleguinhas e a professora de turma”, conta Lindalva.

No ano seguinte, com a chegada de mais dois alunos surdos, foi percebida a necessidade de uma abrangência maior e o envolvimento de funcionários, outros alunos e demais professores, até chegar ao estágio atual de maior abertura no atendimento. 

Filha de uma professora participante do curso que tem uma aluna com deficiência auditiva na sala de aula, a aluninha Clara Regina Plucinski da Fontoura também se sentiu motivada a participar e, na opinião dela, “foi muito legal e diferente porque é sempre bom aprender outras línguas e vai ajudar bastante as pessoas que não conseguiam escutar a fala das outras pessoas”. 

Para o diretor da escola, Ronaldo Aparecido Barbosa, este tipo de projeto é fundamental para garantir a inclusão de todos os alunos e permitir que a comunidade escolar tenha condições de efetivamente oferecer um acolhimento antes inexistente por falta de um olhar diferente para uma questão de tamanha importância.

 

» Mais Imagens