Deputado e primos de Taques não poderão sair à noite e deixar País

» Corrupção

Por Midia News em 25 de Agosto de 2018 ás 06:04

O deputado estadual Mauro Savi (DEM), o ex-secretário Paulo Taques, o irmão dele, o advogado Pedro Jorge Taques, e os empresários Claudemir Pereira dos Santos e Roque Anildo Reinheimer terão que cumprir quatro medidas cautelares ao deixar a prisão nesta sexta-feira (24). Eles conseguiram a liberdade em decisão tomada pela maioria do Pleno do Tribunal de Justiça na noite de quinta-feira.

As quatro medidas são: comparecimento mensal em Juízo para informar e justificar suas atividades, pelo período de seis meses; proibição de se ausentar do País, comparecimento a todos os atos processuais quando intimados e recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folga. As exigências foram estabelecidas pelo desembargador José Zuquim Nogueira, relator do processo, na manhã desta sexta.

O deputado, o ex-secretário, o advogado e os empresários estavam presos desde o dia 9 de maio, quando foi deflagrada a segunda fase da Operação Bereré, chamada de Bônus. Eles são acusados de participar de um suposto esquema de desvio na ordem de R$ 30 milhões no Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT).

Segundo as investigações, parte dos valores repassados pelas financeiras à EIG Mercados por conta do contrato com o Detran retornava como propina a políticos e empresários. O dinheiro, de acordo com o MPE, era “lavado” pela Santos Treinamento - parceira da EIG no contrato - e por servidores da Assembleia, parentes e amigos dos investigados.

Ainda na sessão, os desembargadores receberam, por unanimidade, a denúncia do Ministério Público Estadual contra os acusados, que passam a ser réus. O empresário José Kobori, ex-presidente da EIG, também foi denunciado e igualmente passa a ser réu. Ele já estava em liberdade.  Na decisão, o desembargador José Zuquim afirmou que caso os acusados descumpram alguma medida cautelar, poderão retornar a prisão.

 

» Mais Imagens