Gaeco investiga 41 pessoas por propina no Detran; 7 são deputados

» Corrupção

Por Gazeta Digital em 15 de Maio de 2018 ás 06:46

As investigações do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) que ainda estão em andamento apontam para a participação de pelo menos 41 pessoas no esquema de propina de mais de R$ 30 milhões que era operado no Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) através de contratos que estão em vigor desde 2009. Dentre os envolvidos, constam 7 deputados estaduais, todos em pleno exercício de mandato, 1 ex-deputado federal e um ex-governador.

Conforme as investigações, dentre os integrantes da organização criminosa estão políticos, funcionários públicos e empresários que se utilizavam do contrato da empresa EIG Mercados junto ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) para lavagem de dinheiro e recebimento de propina. Segundo o MPE, a organização era composta por 3 núcleos autônomos: Liderança, Operações e Subalterno.

A lista traz alguns nomes já conhecidos do Ministério Público, de pessoas investigadas em outros esquemas de corrupção e desvio de dinheiro do Legislativo Estadual a exemplo de Odenil Rodrigues de Almeida que é servidor comissionado na Assembleia Legislativa e assessor de confiança de Guilherme Maluf (PSDB). Ele já foi investigado em outras operações do próprio Gaeco como a Convescote deflagrada para desarticular uma organização criminosa montada pela Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faespe) que mantinha convênio de R$ 100 milhões com a Assembleia Legislativa.

Outro nome que também conhecido de outras investigações do Gaeco é o empresário Rafael Yamada Torres, que é filho do empresário Wanderley Fachetti, dono da empreiteira Trimec. Rafael foi alvo de mandado de condução coercitiva cumprido na 5ª fase da Operação Sodoma em fevereiro de 2017.

O ex-secretário-geral da Assembleia Legislativa, Tschales Franciel Tscha, conhecido como Charles, é outro investigado por outros esquemas que surge nas investigações da Operação Bereré. Ele é ex-assessor de Guilherme Maluf e também foi alvo da Operação Convescote.

Elias Pereira dos Santos Filho, secretário de Gestão de Pessoas na Assembleia Legislativa e irmão do deputado Wilson Santos também está entre os investigados por corrupção na Operação Bereré.

Confira nomes:

Núcleo de liderança

Teodoro Moreira Lopes, o Dóia (ex-presidente do Detran e delator do esquema)

Mauro Luiz Savi (deputado pelo DEM)

José Eduardo Botelho (deputado pelo DEM e presidente da Assembleia)

Silval da Cunha Barbosa (ex-governador de Mato Grosso)

Pedro Henry Neto (ex-deputado federal)

Paulo Cesar Zamar Taques (ex-secretário chefe da Casa Civil)

 

Núcleo de Operação

Antonio da Cunha Barbosa Filho (irmão de Silval Barbosa)

Marcelo da Costa e Silva

Antonio Eduardo da Costa e Silva

Claudemir Pereira dos Santos

Silvio Cézar Correa de Araújo (ex-chefe de gabinete de Silval)

Rafael Yamada Torres

Roque Anildo Reinheimer

Dauton Luiz Santos Vasconcellos

Merison Marcos Amaro

Hugo Pereira de Lucena

Pedro Jorge Zamar Taques (irmão de Paulo Taques)

José Kobori

José Henrique Ferreira Gonçalves

José Ferreira Gonçalves Neto

 

Núcleo subalterno

João Antonio Cuiabano Malheiros

Cleber Antonio Cini

Janaina Polla Reinheimer

Odenil Rodrigues De Almeida

Tschales Franciel Tscha

Claudinei Teixeira Diniz

Marcelo Henrique Cini

Rômulo Cesar Botelho

Valdir Daroit

Marilci Malheiros Fernandes de Souza Costa e Silva

José Domingos Fraga Filho (Deputado pelo PSD)

Wilson Pereira dos Santos (Deputado pelo PSDB)

José Joaquim de Souza Filho, o Baiano Filho (Deputado pelo PSDB)

Ondanir Bortolini, o Nininho (Deputado pelo PSD)

Romoaldo Aloisio Boraczynski Junior (Deputado pelo MDB)

Jorge Batista da Graça

Elias Pereira dos Santos Filho (irmão de Wilson Santos)

Luiz Otávio Borges

Wilson Pinheiro Medrado

Valdemir Leite da Silva

Jurandir da Silva Vieira

 

» Mais Imagens