Comprador confirma pagamento em dinheiro a Flávio, mas datas divergem

» Brasil

Por Notícias ao Minuto em 22 de Janeiro de 2019 ás 05:40

O comprador do imóvel que pertencia a Fábio Bolsonaro, o ex- atleta Fábio Guerra, confirmou ter pago cerca de R$ 100 mil em dinheiro vivo pelo apartamento em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio, assim como informou o senador eleito, que afirma ter depositado o dinheiro na sua conta entre junho e julho de 2017. No entanto, de acordo com a escritura, o pagamento de R$ 550 mil aconteceu três meses antes das operações consideradas atípicas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Os outros R$ 50 mil foram pagos em agosto, em cheques no ato da escritura.

O imóvel foi adquirido pelo filho do presidente Jair Bolsonaro e pela esposa dele na planta. Como mostra a escritura, a qual o 'G1' teve acesso, a compra ocorreu em dezembro de 2016, no valor de R$ 1,7 milhão.

De acordo com o documento, o senador eleito fez uma permuta em 2017 com o ex-atleta Fábio Guerra e a mulher, Giordana Vinagre de Farias Guerra. Ele trocou o imóvel de Laranjeiras, no valor de R$ 2,4 milhões, por outro apartamento na Urca, também na Zona Sul do Rio; uma sala de escritório na Barra da Tijuca, Zona Oeste; e mais R$ 600 mil.

O comprador confirmou à reportagem que fez parte do pagamento em dinheiro vivo a Flávio Bolsonaro, em três ou quatro parcelas. "Dei. A média foi isso ai. Não posso falar ao certo, porque de repente foi 70, 80, foi 120, 110 [mil reais], entendeu? Mas a média foi isso ai mesmo. O resto foi tudo depósito", disse Guerra ao 'G1'.

Contudo, a escritura informa que os R$ 600 mil foram pagos da seguinte forma: R$ 550 mil como sinal, em 24 de março de 2017; e mais cinco cheques, totalizando R$ 50 mil, em 23 de agosto de 2017.

Flávio contou que o valor do sinal é o que foi depositado na conta dele entre junho e julho. No período, como mostra o relatório do Coaf, ele recebeu em sua conta bancária 48 depósitos em dinheiro no valor de R$ 2 mil. O total foi de R$ 96 mil, depositados em cinco dias.

Em entrevista à 'Record', no domingo (20), o senador eleito diz que depositou o dinheiro na conta dele, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), em 48 envelopes de R$ 2 mil, pois era o local onde ele trabalhava, sendo que esse valor é o limite para cada depósito no caixa automático.

Flávio não explicou por que preferiu fazer 48 depósitos ao invés de ir ao caixa e depositar o dinheiro todo de uma vez. A agência da Alerj possui terminais de autoatendimento e também funcionários para atender os clientes das 10h às 16h. A maior parte dos depósitos foi feito durante o funcionamento da agência.

Ainda segundo o relatório do Coaf, Flávio pagou um boleto bancário no valor R$ 1,16 milhão. O filho do presidente explicou que o pagamento referia-se à permuta que fez com o apartamento que ele comprou na planta. Segundo ele, a Caixa Econômica Federal quitou a dívida dele com a construtora e ele passou a dever à Caixa. A escritura mostra que o empréstimo com o banco foi quitado em 29 de junho de 2017.

 

» Mais Imagens

22 de Janeiro de 2019 ás 07:20 Pedro
E isso prova o que? Nada! Pois o mesmo poderia ter guardado em cofre ninguém é obrigado a pegar dinheiro correr pro banco, eu mesmo guardo dinheiro em uma gaveta. Então fim de papo porque ninguém investiga os 103mi que filho do lula recebeu por meio de empresas de faxada.